edição:Velho Conselheiro Ze de Mello a 17.2.09
Etiquetas: ,

A entrevista que abaixo reproduzimos, realizada à dias pelo diário Hoy ao Alcalde de Badajoz, deixa claro que este entende a cooperação transfronteiriça como algo além Elvas e, permitam-me, sem Elvas.

Miguel Ángel Celdrán es alcalde de Badajoz, la mayor ciudad de la raya hispano-portuguesa, desde 1995. Sus responsabilidades políticas al frente de la capital pacense han hecho que sus contactos con Portugal hayan sido siempre frecuentes («cualquiera que haya nacido en Badajoz ha tenido a Elvas, principalmente, pero también a Campomayor, Estremoz, Nazaré o Évora y, cómo no, Lisboa, como referencias gastronómicas, culturales y turísticas»). Desde su elección como alcalde de la ciudad, su memoria se puebla de contactos con el país vecino, destacando encuentros empresariales, giras promocionales del carnaval o la organización de proyectos conjuntos con Portalegre, que han forjado su conocimiento de la realidad portuguesa.


- ¿Qué significa para usted Portugal?
- Portugal es la permanente referencia histórica y natural de Badajoz. Nuestra ciudad no se concibe sin Portugal. Somos una ciudad eminentemente de servicios, principalmente comercial, y Portugal, especialmente las ciudades más rayanas, mantiene con nosotros una relación que se ha ido humanizando con el paso del tiempo. Una relación de mutua colaboración. Creo, sinceramente, que igual que para nosotros Portugal es fundamental en el desarrollo, para ellos, Badajoz es una ciudad hermana con todo lo que eso significa. Nuestra relación, especial relación, con Portugal va más allá de Elvas que, de por sí, nos hace sentir como en casa. Campomayor, Estremoz, Borba, Portalegre, Caldas, Nazaré -donde tantos badajocenses pasan sus vacaciones de verano-, Marvao -que lleva el nombre de nuestro fundador y con los que hemos iniciado una relación cultural intensa y satisfactoria- y Lisboa, marcan nuestra marcha como ciudad de frontera. Miramos a Portugal casi con la misma intensidad y el mismo cariño que miramos al resto de España.


- ¿Qué ha sido lo mejor y lo peor de su contacto con Portugal?

- Lo mejor, sin duda, el conocer gente, el conocer rasgos esenciales de su cultura, de su historia y sus proyectos. Conocer a otros compañeros en tareas políticas y de responsabilidad pública, el poder compartir con ellos conversaciones, conocimientos y realizaciones. La hospitalidad con la que nos han tratado siempre, las buenas sensaciones que hemos tenido en todos los ámbitos de colaboración que han surgido. Recuerdo la época del Carnabús (el autobús que promocionaba el Carnaval de Badajoz) por diversas ciudades portuguesas y la acogida que tuvimos. Recuerdo las buenas relaciones con Lisboa, con sus alcaldes y con los empresarios españoles allí. Recuerdo las actividades con Caldas, la estrecha relación con Campomayor y, más que todo eso, lo mucho que nos une tanto a Elvas como a Portalegre. Lo peor, sin duda también, mis profundas carencias idiomáticas que me han impedido corresponderles en su idioma a tanta amabilidad y a su esfuerzo por hablarme ellos a mí en español.


- ¿Cuál cree que debe ser el papel de Extremadura como región fronteriza?

- Ni más ni menos que el que viene siguiendo ya desde hace años y que se refleja en el Estatuto de Extremadura: profundizar en las relaciones con el país vecino con el matiz de los estrechos lazos que nos unen. Buscar todo tipo de vías de cooperación para que ambos pueblos puedan entenderse mejor y progresar más. Creo que todo lo que se está haciendo está construyendo una realidad transfronteriza muy rica y permitiendo una mejor comprensión de los matices que nos distinguen sin abandonar nuestras señas de identidad. Es posible que, con el tiempo, logremos una seña de identidad común. Eso sería aún más deseable. La unión a través del tren de alta velocidad nos va a acercar aún más. Tal vez, por apuntar algo concreto, las actividades de Ágora podrían realizarse también en Portugal y llevar al otro lado de la Raya los debates y las inquietudes culturales y manifestaciones artísticas. A veces hay un exceso de querer dar a conocer la realidad portuguesa en Extremadura pero posiblemente haya cierto déficit al contrario, es decir, también dar a conocer nuestra realidad en Portugal, en el Alentejo, en Lisboa, en fin, en aquellos lugares que no son más familiares por cercanía física e intelectual.


- ¿Cuáles son sus principales proyectos y retos, de cara al futuro, en su relación con Portugal?

- Seguir manteniendo vivo el espíritu de Euroregión que estamos construyendo entre las poblaciones rayanas. Y digo el espíritu porque sobre el papel los pasos se están dando y lo que hace falta es ir concretando realidades. Obviamente, tenemos también ante nosotros el reto del tren de alta velocidad, la Estación Internacional de Caya que servirá, también, de puente de unión entre Elvas y Badajoz. Profundizar aún más en la atención que podemos y debemos dar como ciudad de servicios a los portugueses que nos visitan, especialmente en el ámbito de lo comercial. Y seguir trabajando en lo empresarial y económico con la promoción de las ferias multisectoriales o especializadas de carácter transfronterizo. Es posible que tengamos algunas carencias en lo cultural -aunque con Marvao estamos comenzando una fructífera colaboración- y en lo festivo pero, en el ámbito de nuestras competencias, creo que estamos en el buen camino y sólo nos falta continuar por esa línea reforzar aquello que vayamos comprobando que no funciona o funciona mal. En cualquier caso, a Portugal ya no se le da la espalda sino que se camina junto a ella porque sabemos que eso es lo que nos beneficia a todos.

10 comentários:

democracia século 21 disse...

Não é grave que Celdrán ignore Elvas.

O grave, muito grave é que Rondão Almeida ignore ele também Elvas numa perspectiva trans-fronteiriça de desenvolvimento!

Para quando a reclassificação e infra-estruturação do Caia?

É que Elvas poderia desenvolver-se muitíssimo à custa de Badajoz sem que o Celdrán nada pudesse fazer para o evitar!

É! Dói-me muito mais a indiferença e ignorância dos de cá...

issope disse...

O "21" está a maldizer por maldizer, como é costume.

O que se passa com Celdrán é que tem uma adoração por Portalegre cuja Câmara é da mesma cor política de direita e tem um medo enorme de Elvas porque os espanhóis de Badajoz lhe dizem a ele todos os dias que Elvas é mais bonita, tem mais qualidade de vida e mais iniciativa, assim tivesse tanta população como badajoz e eles eram comidos!

É este o medo de Céldrán.
Mas numa coisa tem razão, portugal vaia para lá de Elvas assim como Espanha vai para lá de Badajoz.

Elvas e Badajoz não são obrigadas a viver só uma para a outros, embora seja inevitável que tenham que viver uma com a outra e quanto melhor for o relacionamento, melhor para a região.

basta ler outras declarações do líder do PP na Extremadura, Monago, de aut~entico "racismo" contra os portugueses, para percebermos o tipo de pessoas de que estamos a falar.

E ao "21" já foi esclarecido centenas de vezes que o Caia não é da Câmara, é do Poder Central, que também já foi Governado vários anos pelo seu PSD/CDS e nada fizeram para o melhorar ou desenvolver. Aliás, tem sido sempre o Poder Central, também da direita, que impediu o desenvolvimento para a zona do Caia e parece-me que vai ser o governo PS a desbloquear algumas coisas como uma Plataforma Logística Transfronteiriça e uma Estação do TGV internacional.
Isto é que é trabalhar em prol do desenvolvimento transfronteiriço, não é conversa de ignorante!

AP disse...

"tem um medo enorme de Elvas porque os espanhóis de Badajoz lhe dizem a ele todos os dias que Elvas é mais bonita, tem mais qualidade de vida e mais iniciativa, assim tivesse tanta população como badajoz e eles eram comidos!"

Estranho... Eu trabalhei vários anos em Badajoz e nunca ouvi um espanhol dizer algo semelhante. Mas conheci muitos espanhóis que não conheciam Elvas, já o contrário é quase impossível.
E dizer que Elvas tem mais qualidade de vida é um perfeito absurdo e um disparate! Onde é que Elvas tem recursos para ter mais qualidade de vida?!

O que Céldran diz é simplesmente que os elvenses julgam que o mundo é entre Varche e o Caia.

issope disse...

Ó AP esse tempo em que não ouvias espanhóis a dizer bem de Elvas era no tempo do Carpinteiro.

Eu escrevi o que ouço na actualidade.

Para ti qualidade de vida não é viver em Lisboa, digo eu!!??!!

Admito a tua opinião, mas deve ser por alguma razão que se prende com a qualidade que vida, e não só com preços, que os espanhóis vêm viver para Elvas, invadem (de modo positivo, claro) as piscinas municipais de Elvas, o jardim municipal de Elvas, etc.

AP disse...

Issope mas você acredita mesmo que um espanhol diga que Elvas tem mais qualidade de vida que Badajoz?!
Eu não digo que eles não elogiem Elvas, mas diminuir a sua qualidade de vida comparando com Badajoz é, convenhamos, demasiado exagerado.
E para mim qualidade de vida não é Lisboa. Mas veja-se Évora, por exemplo, que para mim é uma cidade com uma excelente qualidade de vida.
Você em Elvas não tem Maternidade, não tem universidade, não tem indústria, não tem serviços, etc.
Os espanhóis gostam muito da nossa cidade pela sua calmaria onde nada se passa... E como dizia um ex-colega espanhol: "y por la comida y los vinos!"

Gaiato alentejano disse...

É claro que Celdrán não gosta de Elvas. Protestou porque a futura estação do TGV vai ser compartilhada quando ele queria a estação toda para ele. Trabalho em Espanha e sempre que leio o jornal "Hoy" alguma notícia referida ao nosso país, esse senhor nunca fala bem de Elvas.Isso por quê? Pode ser que seja uma questão política porque ele é do PP (direita) enquanto o Rondão é do PS. Ou pode ser por outros motivos. Lá isso não sei.

Mas sim posso falar pelo que me dizem os espanhóis a respeito de Elvas. Eles valorizam a nossa cidade como sendo uma cidade com uma alta qualidade de vida, não só pelo património e a comida, que também, mas pelo muito que se tem feito aqui. Nós, talvez pelo nosso pessimismo ou porque no nosso dia-a-dia não reparamos nessas mudanças ou até porque as nossas ideias políticas nos impedem ver com clareza as coisas, não damos por nós que Elvas, com todas as suas deficiências,é uma cidade linda onde viver, com uma boa qualidade de vida.

Está certo que Badajoz pode ter outros serviços, mas não podemos comparar uma cidade de 145.000 habitantes (que não deixa de ser uma cidade atrasada dentro de Espanha) com uma cidade de 25.000. Mas essa cidade quando comparada com outras da Extremadura espanhola da mesma dimensão tem muita mais qualidade de vida do que essas localidades.

Além do mais, qualidade de vida não significa ter mais serviços, mas sim a capacidade de poder usufruir desses serviços. Lisboa ou Badajoz ou qualquer cidade média ou grande podem ter muitos serviços mas nem sempre isso se traduz numa melhor qualidade de vida.Qualidade de vida não é ter um hospital, um teatro ou uma escola â frente de casa, mas sim a capacidade de poder usar esses serviços com comodidade e que esses serviços realmente sejam efectivos.

Temos de melhorar muitas coisas em Elvas? Temos, nomeadamente a questão do emprego. Também termos mais opções de lazer. Nada é perfeito. Mas não podemos permitir-nos o luxo de desvalorizar o que é nosso. Sem apaixonamento.

Para finalizar, quero dizer ao Sr. AP que em Badajoz também não há indústria poreque é uma cidade de serviços, como Elvas. Elvas, por sua parte, tem alguns cursos universitários, nomeadamente a Escola Superior Agrária, o que até é demais para uma cidade como a nossa. Diga-me só que universidades e que maternidades há, por exemplo, em V. N de Famalicão, Sta. Maria da Feira, no Seixal, no Barreiro ou outras localidades bem maiores do que Elvas? E ninguém duvida que possam vir a ter uma boa qualidade de vida.

Peço desculpa pelo comprimento do comentário e fico antecipadamente grato pela oportunidade do autor do blogue em me permitir fazê-lo.

Obrigado.

AP disse...

Gaiato concordo em parte com o seu comentário.
Eu não creio que Céldran não goste de Elvas. Ou melhor, não vejo as coisas por esse prisma. A verdade é que os espanhóis são nacionalistas e bairristas, como todos nós sabemos, logo é lógico que Céldran quisesse todo o desenvolvimento para ele e a sua região.
Além de que se Badajoz e a Extremadura têm muito maior poder económico, e maior peso político, é normal quererem ser eles a ditar as regras do jogo. Imaginemos o inverso...

E eu nunca disse que em Badajoz há industria.
Por algo, sobre o tema da qualidade de vida em falei em Évora, e não no Barreiro ou V.N. de Famalicão, cidades que não creio serem bons exemplos nesse campo.

Sr Inspector Elvense disse...

So tenho a dizer que concordo com o titulo do post, que julgo muito apropriado, tendo em conta o texto que aqui se pode ler.
E que nós precisamos mais de eles, do que eles de nós!

Gaiato alentejano disse...

Sr. AP. Concordo consigo em que há espanhóis nacionalistas e bairristas, como aliás pode haver no nosso país. Também concordo no facto de Évora ser uma cidade com uma muito boa qualidade de vida. Há dois anos mais ou menos houve uma classificação e Évora aparecia como sendo a 4ª cidade de Portugal em qualidade de vida, enquanto Elvas ficava no 12º lugar de 50 cidades.

No entanto, discordo em que a Extremadura possa ter mais poder económico pois as estatísticas a nível europeu mostram um PIB para o Alentejo do 72-73% da média comunitária contra 68-69% da Extremadura espanhola. Parece pouco mas indica que não somos tão pobres assim como por vezes costumamos pensar. Mas uma coisa têm que nós não temos: um governo regional que puxa pelos seus interesses, enquanto nós ficamos a depender do que diga Lisboa sem capacidade nenhuma de decisão.

De resto, os exemplos que pus eram mais do que nada para demonstrar que mais serviços não significam necessariamente mais qualidade de vida. Acho, no entanto, que numa Europa sem fronteiras, é preciso deixar-se de bairrismos e nacionalismos baratos e ter uma perspectiva global. E isso acho que este senhor não tem. Uma colaboração Elvas-Badajoz pode ser muito produtiva desde que focalizada em gerar sinergias em ambos os sentidos.

A vida na fronteira disse...

A direita de Badajoz, que é mesmo franquista, nunca gostou nem de Portugal nem dos portugueses. Esses comentários racistas são habituais. Eu sou um desses espanhóis que utiliza as piscinas de Elvas e o Jardim, e lamento que venham tantos espanhóis, que não cuidam nada. Elvas tem os recursos que têm as cidades da Extradura do mesmo tamanho. Mas devo dizer que é uma cidade muito bonita para viver e tal vez com maior qualidade de vida.

Search