edição:Velho Conselheiro Ze de Mello a 26.7.06
Etiquetas:


O ex-presidente da Câmara Municipal de Elvas e proprietário do Museu da Fotografia, João Carpinteiro, ameaça levar de Elvas todo o espólio fotográfico, até final do corrente ano, para outra localidade portuguesa ou até para Espanha. A introdução do estatuto de municipal ao museu “à revelia” do proprietário e a “falta de manutenção” do espaço, propriedade do município, são apenas duas das razões apontadas por João Carpinteiro para equacionar a deslocalização do museu.
A insatisfação do ex-autarca levou entretanto alguns congéneres espanhóis e portugueses a avançarem com propostas para a instalação do museu em cidades como Madrid, Cáceres, Mérida e Badajoz (Espanha), assim como em Tavira, Silves, Lagos e Lisboa. EXAUSTO“Prefiro manter o museu em Elvas que é a minha terra. Mas a falta de apoio é de tal ordem que desde a inauguração do museu, em 2003, não foi colocada pela Câmara uma única placa em toda a cidade a indicar o local da exposição”, disse João Carpinteiro ao CM.O ex-autarca, que diz ter chegado “à exaustão”, acrescentou ainda que a autarquia não se digna sequer a arranjar os aparelhos de ar condicionado e o quadro eléctrico do museu, instalado no antigo Cinema São Mateus. “Está sempre a disparar. Por 500 euros não é comprada uma lâmpada para o projector.” João Carpinteiro diz não ter dinheiro para “aguentar o barco” e considera que o acordo entre a autarquia e a Fundação João Carpinteiro, detentora de todo o espólio, terá de ser revisto.“Recebemos da autarquia 19 mil euros em três anos e vivemos de donativos. Se não atribuíram o estatuto municipal ao museu de Arte Contemporânea, o Museu de Fotografia também não o deve ter, de modo a podermos encontrar outras soluções financeiras. Vender está fora de hipótese, apesar de um coleccionador já ter oferecido um milhão de euros pelo espólio do museu, que tem apenas um terço dos objectos ligados à fotografia na posse da fundação”, disse João Carpinteiro. Contactados pelo CM, os responsáveis da Câmara Municipal de Elvas não quiseram prestar declarações.TREZE MIL VISITASEm quase três anos, o Museu recebeu 13 mil pessoas, entre portugueses, espanhóis, brasileiros, japoneses e argentinos.“As pessoas não dão com o museu porque não há sinalética. Todos os visitantes têm vindo ao museu porque temos sempre exposições temporárias e outras actividades culturais que animam e dão vida ao espaço”, acrescentou João Carpinteiro, salientado que muita gente visitou “o museu gratuitamente” e outras “pagaram apenas um euro”.Constituído por salas de exposição, auditório, biblioteca e laboratório, o museu integra uma valiosa colecção de câmaras fotográficas desde 1860, bem como diverso material ligado à actividade, brinquedos fotográficos e um banco de imagens com 2750 fotografias do concelho de Elvas.
PERFIL - João Manuel Valente Pereira Carpinteiro, 62 anos, casado, natural de Elvas, começou a interessar-se pela fotografia quando tinha apenas dez anos. Em 1969, comprou o primeiro material fotográfico para a sua colecção, que manteve em perfeitas condições numa cave da sua habitação. Depois de ter desempenhado vários cargos de autarca, entre os quais o de presidente da Câmara Municipal de Elvas durante dois mandatos – entre 1985 e 1993 – criou a Fundação João Carpinteiro, em 1998, detentora de todo o espólio fotográfico. Em Novembro de 2003 foi inaugurado o Museu da Fotografia.Apaixonado pelo coleccionismo, João Carpinteiro tem ainda uma colecção de 300 presépios e cerca de cinco mil porta-chaves.

in: Correio da Manha

7 comentários:

Pedro Gama disse...

Pois é. Parece que o verniz estalou!!! E olha que até parecia que o Dr. João Carpinteiro era também um dos vassalos calados do Regedor. Mas parece que não se deixa impressionar com ofertas de nomes de em Museus.

Será este mais um encerramento na cidade de Elvas??? É uma pena, ver ao que isto está a chegar....

Anónimo disse...

Pois é ...
Devia era ter pensado nisso antes, por exemplo quando assinou o livro de apoiantes da candidatura do regedor.... Ou será que estava " peado " pela cena do museu ou outra???

Já há muito deveria saber que o regenor não pede nada; compra, e como compra vai exigir o retorno depois portanto agora aguente-se
Vamos ver se tem estaleca para fazer o que diz ou é só conversa fiada e ameaças veladas.

Xanu disse...

Pois...isto via-se chegar. Não podemos ser amigos de deus e do diabo...e JC já devia saber o que podia acontecer.Sempre ouvi dizer que quanto mais nos abaixamos mais o dito cujo aparece...e quanto a mim ele baixou-se demais para o resultado obtido. Foi ingenuidade? Tlv mas já devia ter aprendido como é que estas coisas funcionam, o Regedor deu-lhe um rebuçado para se entreter mas ficou com o resto do pacote.

olhopassarinho disse...

xanu, imgenuidade não é porque o joao carpinteiro tem o corpo preenchido com vaidade dos pés aos cabelos.
Agora a vaidade sai-lhe cara poruqe tem que se levantar cedo todos os dias para a alimentar.
Já não digo prs trsbslhsr porque o homem não nasceu para gerir nada porque havia de ter nascido pra gerir um museu ?
Quantas exposições de ambito nacional ?
Qunatos dos propalados cursos de fotografia promoveu ?
Tem é que limpar o bolr ao laboratório.
Quantos sal~pes nacionais de fotografia promoveu ?
Quantas maratonas de fotografia ?
Quantos concursos ?
Só exposições caseiras e presépinhos.
Tenha é vergonha e deixe-se tar caladinho.
Na hora certa vai-lhe lamber as botas e depois é que dói.
E já agora ficava-lhe bem dizer publicamente quanto meteu ao bolso a sua Fundação de subsídios do Estado.

TORRE DE ATALAIA disse...

De facto, vá o diabo e escolha...

picamiolos disse...

tanta presuncao.
olha joao carpinteiro mostra la esses convites de espanha até a coxichina pra comprarem os espolios.
eu vendia ja.
tenho um amigo na lua que e capaz de tar interessado em comprar.
vendes ? mas olha que nao sei se ele ta disposto a chamar Museu Lunático João Carpinteiro ao sitio onde puser as machines.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

Search