edição:Velho Conselheiro Ze de Mello a 7.5.07



O Conselheiro Zé de Mello traz hoje ao blogue mais uma conversa com uma Elvense que está fora do seu torrão natal. Alice de Sousa é uma brilhante actriz radicada em Londres, onde tem a sua própria companhia teatral, com a qual alcança grandes êxitos traduzindo e levando às tábuas do Greenwich Playhouse os grandes nomes da literatura lusa, bem como obras por ela escritas. Já em 16 de Dezembro'05 aqui tinhamos referenciado esta Elvense (ver aqui). Esta entrevista foi solicitada à Alice de Sousa poucos dias antes da sua última estreia.




Que distancia existe entre esta Cidade de onde saiu muito nova e as tábuas do seu Teatro em Londres?
É uma distancia grande tanto física com de tempo. Sai de Elvas quando tinha apenas nove anos de idade.
Mantém alguma ligação a Elvas?
Infelizmente não. Tenho família nessa linda cidade mas não a visito tão frequentemente como gostaria. Faço planos de voltar um destes dias e ficar uma boa semana para me familiarizar novamente com Elvas.
A fama que hoje em dia as suas produções e representações alcançaram é fruto de trabalho e muita dedicação. Que palavras gostaria de dizer aos jovens elvenses que, como muitos hoje em dia, sonham ser artistas?
Tanto na arte assim como em tudo que se ambiciona na vida há que haver persistência, dedicação e 'belief' em nós próprios, nas nossas qualidades e capacidades próprias para fazer/criar algo de diferente ou até especial. E preciso ter fé. O resto é uma mistura de coragem, sorte e força.
A tarefa de levar a cultura do seu pais, sob a forma de Teatro, aos súbditos de Sua Majestade, é por si encarada como uma missão?
Sim, fartei-me de ver e de celebrar nos palcos britânicos a cultura de outros países Europeus que já eram bem conhecidos e representados antes de qualquer actividade cultural minha. E então decidi que era altura de demonstrar de uma forma significante e constante que a cultura e a literatura Portuguesa não é a Espanhola, e que acima de tudo é de grande qualidade. A missão continua no teatro com futuros projectos e com uma nova aventura, desta vez o cinema. Em 2005, criei a Galleon Films Ltd, estou brevemente de partida para o festival de Cannes com quatro projectos de filme de longa-metragem - dois de origem Portuguesa - um texto original, escrito por mim sobre a lenda de Inês de Castro; e o meu texto sobre Aristides de Sousa Mendes.
Como reagem os estrangeiros aos autores portugueses?
Gostam e não compreendem porque não existem traduções em inglês acessíveis ao público de Eça de Queirós, Almeida Garrett, Júlio Dinis, Sttau Monteiro etc.
Estreiou recentemente uma nova produção no seu Galleon Theatre em Londres. Fale-nos dela.

Extractos de criticas que recebemos:

    • "This production by Galleon Theatre Company laid bare all the qualities of human life. The play contrasts hope with despair and helplessness with power, creating a strong range of characters. This gripping story is a true gem." - Newsshopper
    • "In an eloquent and taut English translation by Alice de Sousa, directed by Bruce Jamieson, Thankfully there is Moonlight! marks a welcome return to the satisfying quality that has established Galleon's reputation as exponent of wrongly neglected classics.” - The Stage
    • "This gripping story is a true gem." - Newsshopper
    • "It is easy to see why Thankfully there is Moonlight! caused such an uproar when it was first published. This new translation by Alice de Sousa has lost none of its potency." - The Wharf
      "Thankfully there is Moonlight! is powerful story of human faith, courage and loyalty, and it is really worth seeing." - The Wharf
    • "There are echoes of the current situation in Iraq, in particular the recent show trial of Colonel Jorge Mendonca. " The Kentish Times
    • "The Superb characterisations" - Kentish Times
    • "Andy Dowbiggin, Rufus Graham, Michael Hucks and Alice de Sousa give stand-out performances in an excellent cast" - Kentish Times
    • "brilliant" - Kentish Times
    • "Powerful drama" - Kentish Times
    • "a powerful play, written out of anger and despair." - Time Out
    • "a potent historical document" - Time Out
    • "Here credit must be due to the director, Bruce Jamieson, for fleshing out who these people are. What is also of particularly high quality is the dialogue - Alice de Sousa, the adaptor, has produced a seamless translation and in doing so brings out a mordant wit. It would be unfair to single out actors, particularly in a cast of 12, so I will only say that the quality is of a standard far higher than you usually get on the fringe." - uktheatre.net
    • "The play was well-attended the night I went to see it and it was well-attended because word has got round that this is a very good play. A play packed with emotion. Who knows when next this country will see work by Sttau Monteiro - get along to see this quality drama at the Greenwich Playhouse before it ends." - uktheatre.net
    • "This is certainly a quality play with strong performances from the very talented cast." - indielondon.com
    • "If you like your theatre thought provoking and with strong topics, you will enjoy Thankfully There is Moonlight." - indielondon.com
    • "Galleon Theatre and Greenwich Playhouse are to be commended for resurrecting this largely overlooked classic of Portuguese theatre. This is an ambitious production offers themes that are as relevant to today's world as they were to the playwright's own in 1961, when it was written." - extra.extra.com
    • "The Greenwich Playhouse is perfect for productions of this kind. Bruce Jamieson delivers high emotional impact per square-inch, achieved through a mastery of light and sound." - musicomh.com
    • "It seems unfair to choose from such engrossing performances - this is a strong cast - but the role of Matilde, played by de Sousa herself, lingers long in the mind." - musicomh.com

Actriz, Escritora, e Produtora. Se a obrigassem a renunciar a um deles qual deixaria para trás? Porquê?

Nenhum! Faz tudo parte de mim, do que faço e do que necessito para realizar as minhas ideias e sonhos.

Shakespeare ou Gil Vicente?

Tenho que ser desleal - Shakespeare.
Já este ano, a convite da Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas, foi nomeada para o "Prémio Talento 2006", que culminarão no evento denominado "Gala dos Talentos" a transmitir via RTP para todo o mundo. É finalmente o reconhecimento do seu país pelo esforço na promoção da Cultura Lusa?
Recebi hoje noticias que fui seleccionada!

Se tivesse que escolher um décor para uma representação, de entre os monumentos de Elvas, qual escolheria?
O Aqueduto! É extraordinário!
O grande papel da sua carreira foi? E a qual ambiciona dar corpo?
É uma pergunta impossível de responder porque todas as personagens são completamente diferentes, pedem e representam desafios, oportunidades e recompensas diferentes. Gostei muito da personagem de Matilde que representei na recente peça, mas também de Luisa em 'Os Maias', Lady Macbeth, Juliet em Romeo & Juliet, The Duchess of Malfietc.

2 comentários:

Anónimo disse...

Estou-lhe muito grato por mais esta entrevista a uma elevense de destaque. Pois, já neste espaço lhe tinha dito que gostava que fizesse mais entrevista desta natureza, e sugeri-lhe até alguns nomes.
Foi muito simpático da sua parte, ter-se dignado dizer-me, que este tipo de entrevistas encerram algumas dificuldades para a sua concretização.
Mais relevante se torna o seu trabalho neste dominio.
Um bem haja.

JC (outro Zé) disse...

Caro Zé (se me permite)
É com enorme alegria e ao mesmo tempo com tristeza que lhe escrevo: alegria por saber que temos uma conterrânea nossa e que encontrou a felicidade lá longe em terras de Sua Majestade, mas tristeza por constatar mais uma vez a minha ignorância. Temos MULHER!
Mas já agora permita-me lembrar-lhe, de uma MULHER nossa conterrânea, a quem deram o nome a uma ruelazinha aqui do burgo e que “por acaso” fazia parte da lista dos 100 mais ilustres portugueses de sempre e que foi baptizada de ADELAIDE CABÊTE.
Para quando a merecida homenagem a tão ilustre Elvense? Será que há por aí tantos ignorantes quanto eu?
Sei que por aí há ano e meio aqui neste local foi feita uma biografia dessa GRANDE ELVENSE ( ver http://zedemello.blogspot.com/2006/01/adelaide-cabete.html ), mas uma homenagem a sério ainda Lhe A devem.
Caro Zé, acho que tem aqui um lugar, senão óptimo, pelo menos bom para dar início a tal evento.

Os meus cumprimentos
JC (mais um Zé)

Search