edição:Velho Conselheiro Ze de Mello a 7.2.06
Etiquetas:

Depois da lançada a notícia pelo Linhas de Elvas é agora a vez do Jornal Público fazer eco:

Maternidade alentejana pode fechar as portas

Bebés de Elvas poderão vir a nascer em Badajoz




«As mulheres da região de Elvas poderão passar a ter os seus filhos na maternidade de Badajoz, segundo uma hipótese que está a ser analisada pelos responsáveis do conselho de administração dos hospitais de Portalegre, de Elvas e daquela cidade espanhola. A concretizar-se a intenção, admite-se o encerramento da maternidade de Elvas.
O presidente do conselho de administração dos hospitais de Portalegre e de Elvas, Luís Ribeiro, sublinhou à Lusa que se trata de "uma hipótese que está a ser estudada, entre várias opções". Luís Ribeiro confirmou que existem já contactos com responsáveis do Hospital Infanta Cristina, de Badajoz, e que, a confirmar-se esta possibilidade, a Maternidade Mariana Martins, em Elvas, encerrará as suas portas."Não se tira nada à população sem lhes dar algo em troca e o que se pretende oferecer é um serviço melhor e com mais qualidade, onde os bebés nasçam bem do ponto de vista técnico, e a hipótese de Badajoz favorece as mulheres da região", sustentou o responsável.Actualmente, as mulheres do concelho de Elvas e das regiões limítrofes da raia têm habitualmente os filhos na maternidade de Elvas. No entanto, nos últimos tempos tem aumentado também o número de mulheres da região de Elvas que optam por dar à luz em Badajoz, recorrendo sobretudo a clínicas privadas, através de seguros de saúde.Para Luís Ribeiro, as mulheres portuguesas do interior "têm o direito a fazer os partos em condições idênticas às de Lisboa", considerando indiferente se um bebé nasce em Elvas ou Badajoz. "Se for filho de portugueses, a criança é portuguesa", argumentou. Luís Ribeiro sublinha que, para já, "nada está ainda resolvido", sendo a decisão final da competência do Ministério da Saúde, através da Administração Regional de Saúde do Alentejo. Para a concretização da medida, será também necessário um acordo entre os ministérios da Saúde de Portugal e de Espanha.Com doze médicos obstetras, as maternidades dos hospitais de Portalegre e Elvas registam anualmente cerca de 700 partos, uma média de 60 por mês.No passado dia 5 de Dezembro, o "Jornal de Notícias" avançou que a Direcção-Geral de Saúde, alegando a falta de recursos humanos para o encerramento de maternidades, tinha já elaborado uma lista das primeiras seis urgências de obstetrícia a fechar. Entre elas estava a de Elvas, que realiza menos de 200 partos por ano. Na altura, o presidente da Câmara de Elvas, Rondão Almeida, assegurou que a maternidade da cidade não iria fechar.»

Esta-se mesmo a ver o que vai acontecer: ELVENSES DE BADAJOZ!
Que forma habil esta de manter a população pacata e quieta quando a maior revolução em termos de saúde no concelho e região se avista no horizonte como uma forte hipotese de se tornar realidade!
E a população caladinha! chiuuuuuuuuuuuu que o menino esta a dormir!

11 comentários:

Lupor disse...

Ler para crer.
e a populaça a ver a banda passar sem "tugir nem mugir"
Está aqui a faltar um motor de arranque. Que pena termos deixado escapar as eleições.
Mas podemos sempre partir para outras formas. Que tal criarmos um abaixo assinado que percorra a população na recolha de assinaturas dos discordantes?

Xanu disse...

E esse abaixo assinado resolve alguma coisa? Têm que ser os responsáveis pela cidade a fazer ouvir os seus protestos...mas como só ouvi afirmações pra "boi dormir" e não ouvi nem vi nada que me leve a acreditar que alguma coisa vai ser feita de concreto. Bem pode começar a arranjar lenços brancos para acenarem à maternidade...

Lumife disse...

Grato pelo comentário e votos deixados no "Beja".

Teríamos muito prazer se pudéssemos contar com o máximo de Blogs Alentejanos neste Encontro, em Alvito, a 22 de ABRIL.

Ficamos a aguardar.

Um abraço

Anónimo disse...

Qual é o mal de nascer em Badajoz se até se podem conseguir lá melhores condições hospitalares?

Ze de Mello disse...

Recordo as palavras pré e pós eleitorais do Regedor:

A Maternidade não encerrará!

Também o Presidente da Fundação acenou com uma "chantagem" ao Ministério da Saúde pela cedência do terreno onde hoje temos o Hospital.

Que as condições serão melhores?! Talvez. Sobre isto não me sei prenunciar.

Mas o que esta em causa é a falta de força /interesse que a população manifesta perante estes assuntos!
Por este andar deixamos que nos roubem a casa enquanto estamos sentados à lareira!

Contudo em primeiro lugar estão as partorientes e seus "rebentos"! E se estas já fogem para lá alguma razão terão!

Anónimo disse...

Se o que está em causa é o imobilismo do povo português então dou-lhe toda a razão. O que temos hoje é o fruto de toda uma cultura que vem desde a monarquia até ao Estado Novo, uma cultura que tornou imóvel, humilde e respeitadora toda esta massa de gente ignorante que é o povo portugues.

Fitas Custódio disse...

Uma vez mais a população fica assobiando para o ar.São demasiado comodistas para lutarem por uma causa.Não há bairrismo,não se defendem valores,não há identidade, não há nada. Nada a não ser vaidade e bem enraizada. Mas quando se trata de ir à luta, dar a cara, fazer valer os direitos que lhes pertencem,então ficam sempre à espera que sejam os outros a decidirem a quota parte da sua responsabilidade. Acomodaram-se à subserviência, ao parece mal,ao curvar da espinha, ao boné na mão ... Os anos passaram mas as mentalidades mantiveram-se alheadas da nova realidade, onde o estio permanece eternamente, numa seca perene, sem prespectivas, sem horizontes, sem vontade.
Acordem !!! Sacudam para longe a preguiça que vos invade. Façam dessa terra um lugar digno para os vossos filhos, sintam orgulho de ser Elvenses.

Anti capa_o disse...

Se Badajoz tem melhores condições, aliás qualquer dia qualquer sitio é melhor que Elvas. Se as mães de Elvas preferem ir para Badjoz, então o melhor é fechar a maternidade. Vou olhar para o verdadeiro problema. Elvas está a mirrar! Cada vez está mais pequena e qq dia é absorvida por outro concelho. O Sr Rondão não quer saber porque é a cor dele que está no poder. Como pode criticar os seus? Já meteu lá a filha e vai continuar a servir-se para servir assim os seus capangas.

Temos um presidente que vai pela rua como o rei nú. E o pior é que ele sabe que não tem qq roupa vestida.

Os elvenses nos últimos 20 anos tem sido sempre subservientes aos espanhois, basta que entre um pé rapado español numa loja da cidade e o empregado começa logo a dizer "Buenos dias". Por isso o melhor é que os elvenses nasçam em españa. O 14 de Janeiro já foi à tenta tempo que não interessa o seu significado.

Junta-se um alcalde comprometido com o seu governo central, com uma população que já escolheu que os seus hijos são españoles e pronto, mais vale fechar e entregar as lhaves aqui ao Zé de Mello.

Bem hajam ou vou continuar en castelhano. Hasta la vista baby!

Anónimo disse...

Elvas cada vez mais pequena!?
Acho que só um cego seria capaz de dizer isso. Aliás, o desenvolvimento do nosso concelho não tem comparação no Alentejo, mas quem não quer ver não veja. Os elvenses querem tanto saber da maternidade que já cerca de 20% dos bebés do concelho nascem do outro lado estando a maternidade aberta!! e diminuindo assim claramente a soma dos nascimentos na Mariana Martins.

Lupor disse...

bem. Pelo que pude apurar hoje, em conversa informal com um amigo é que a NOSSA maternidade tem o melhor dos equipamentos que qualquer outra por esse país fora.
Falta-lhe apenas a mão de obra para trabalhar com toda aquela maquinaria.
Então, a questão é exigir-se pessoal e fidelizar ali as parturiantes desta zona.
Caramba com pouco mais de 200 partos por ano, se calhar não se justifica mesmo aquele espaço aberto.
Mas então se até no hospital estão retirando valências para as empurrar para Portalegre, não quererá isto dizer que o que está em jogo é acabar com as duas?
Se assim for e se somarmos os militares, então concordo com alguém que me segredava que isto só tem uma solução:
trasnferir também o Caia para o alto de Vila Boim. E pronto!!

jams disse...

Sobre os partos em Badajoz já comento no meu blog
Talvez não tenhamos condições em Elvas para manter uma maternidade, mas tinhamos obrigação para as reunir.Quanto a mim acho uma vergonha portugueses nascidos em Espanha. Cumprimentos do JAMS

Search